Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Imagens

Este blog apenas reporta a realidade, sem seguir cartilhas políticas ou ideológicas, nem apoia extremismos de esquerda ou direita.Não toma partido em questões geo-políticas(sem deixar de condenar crimes de Guerra) .

Este blog apenas reporta a realidade, sem seguir cartilhas políticas ou ideológicas, nem apoia extremismos de esquerda ou direita.Não toma partido em questões geo-políticas(sem deixar de condenar crimes de Guerra) .

Imagens

28
Mai24

Notícias da Europa

O apartidário

20240528_132342.jpg

22623054_TgDcw.jpeg

20240528_104738.jpg

20240528_132510.jpg

unnamed (5).jpg

unnamed (4).jpg

22625333_Ms7Kq.jpeg

20240528_135443.jpg

Durante uma assembleia da Conferência Episcopal Italiana (CEI) à porta fechada, o pontífice terá incentivado os bispos a não acolherem pessoas abertamente homossexuais nos seminários religiosos, afirmando que já havia "demasiadas bichas", segundo a tradução menos ofensiva.

Quando um dos bispos perguntou a Francisco o que deveria fazer, o Papa terá reiterado a sua objeção à admissão de homossexuais, afirmando que, embora fosse importante abraçar toda a gente, era provável que um homossexual pudesse correr o risco de levar uma vida dupla.

O Papa, de 87 anos, terá depois acrescentado que já havia demasiada “frociaggine” — uma palavra italiana vulgar do dialeto de Roma que se traduz aproximadamente por "bicha", "maricas" ou "paneleiragem" — em alguns seminários.

"Segundo os bispos procurados" pelo jornal Corriere della Sera, "está claro que o pontífice não tinha consciência do quão ofensivas eram suas palavras em italiano", escreveu a publicação.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/demasiadas-bichas-papa-francisco-tera-usado-um-insulto-para-se-referir-a-homossexuais

18
Mai24

A Estratégia da Distracção

O apartidário

PIB-Perfeito-Idiota-Brasileiro.jpg

10 estratégias de manipulação
https://floraiszed.com/5-artigos/5088-10-estrategias-de-manipulacao.html

1 – A ESTRATÉGIA DA DISTRACÇÃO
O elemento primordial do controlo social é a estratégia da distracção, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distracções e de informações insignificantes.
A estratégia da distracção é igualmente indispensável para impedir o público de se interessar pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética.
“Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais."

16
Mai24

O Navio Dali e a Ponte de Baltimore

O apartidário

navio-derruba-ponte-de-26-km-nos-EUA-e-veículos-

20240326100332_eaf6788e045867f5332af8ca2f01271c6d4

trakinas-a-bolacha.jpeg

979796b84f9301c6069216eff974adfb.jpg

Actualização 14h,50m :

Detalhes do início da operação (navio entretanto já encostado ao cais pelas 14 e 20min hora de Lisboa)  https://youtu.be/kdeGAIUTvTc?si=L_R5nGtQi-OWPy9P

 

Actualização 14h(em Lisboa) de dia 20 de Maio:

Navio Dali a ser rebocado de volta ao porto de Baltimore cerca de 8 semanas depois (video em directo) 

 https://www.youtube.com/live/OhPG4yUfaw0?si=s1vZF11ugerUI-QU

 

Explosão controlada(segunda feira 13 Maio)para retirar estrutura da ponte que ficou 7/8 semanas em cima da proa do navio https://youtu.be/2vHqVl3rJq4?si=PXmreMJh88VbIBNF

08
Mai24

O Mantra dos Papagaios

O apartidário

20240508_073549.png

Há dias, no Porto, um grupo de imigrantes foi agredido por um grupo de locais. Políticos e jornalistas culparam o “racismo”. Talvez devessem ter também atribuído algumas culpas ao caos migratório consentido pelo Estado em Portugal. Sim, admitamos que quase todos os migrantes são gente que procura uma vida melhor e até segurança. Mas quando a migração está descontrolada, não chegam só esses. Chegam também os que, no país de origem, eram delinquentes. Chegam ainda os que, sem encontrarem trabalho ou residência, se tornam delinquentes no país de acolhimento. Por isso, não abusemos do “racismo” para explicar todos os incidentes. Também a maioria dos locais aceita a migração, sem o que já estaríamos em guerra civil. Mas nem todos vivem nos bairros da classe média, onde os migrantes só acedem como estafetas ou empregados domésticos, e infelizmente nem todos, quando em conflito, vão esperar por autoridades que dão provas de terem perdido o controle da situação.

Rui Ramos no Observador (artigo completo na caixa de comentários) 

global.jpg

"Todo o sistema migratório internacional é pensado para derrubar os custos com o trabalhador e aumentar o lucro. O uso da força de trabalho migrante é um grande aliado para conseguir atingir esse objetivo. É bastante problemático que existam pouquíssimas oportunidades para estrangeiros conseguirem nacionalidade ou uma permissão permanente de trabalho, principalmente os que pertencem às camadas mais vulneráveis. Essa insegurança jurídica os deixa à mercê das vontades da classe dominante. Acabar com a migração irregular não é uma prioridade para os países ricos, porque isso acabaria com o grande exército de reserva disponível para as elites nacionais. Ademais, quando existem esforços para regularizar a condição jurídica dos trabalhadores migrantes, eles normalmente estão focados em vistos de trabalho temporário, o que significa que os trabalhadores podem ser repatriados a qualquer momento, mesmo que contra sua vontade.

Portanto, as teorias marxistas da migração são mais pessimistas que outras. A migração é mais um sinal do desenvolvimento desigual e das relações de poder entre as nações e não traz desenvolvimento aos países de origem. Na verdade, a migração pode até favorecer o subdesenvolvimento das periferias do mundo por meio do processo de fuga de cérebros, que é quando trabalhadores altamente capacitados deixam os seus países, como Brasil, Índia e Argentina para irem trabalhar nos EUA, Europa e Japão.

Isso quer dizer, então, que marxistas são contra a migração ou podem até compactuar com discursos a favor de controles migratórios? Absolutamente, não. Esse tipo de argumento é completamente incompatível com os escritos marxianos que afirmam que se o capital é internacional, a classe trabalhadora também precisa se organizar internacionalmente. Na verdade, a Primeira e a Segunda Internacional Socialista são bastante claras na defesa de direitos e condições iguais entre trabalhadores nacionais e migrantes e na necessidade de evitar que os donos dos meios de produção possam utilizar a mão-de-obra migrante como um trabalho de valor inferior.

Por fim, esta é apenas uma introdução muito breve a várias discussões que autores marxistas fazem sobre a questão migratória. O marxismo vê as migrações internacionais de forma bastante crítica e entende que elas fazem parte de uma estrutura internacional de exploração da classe trabalhadora. No entanto, em hipótese alguma o marxismo advoga pelo controle de fronteiras pelo Estado, que, diga-se de passagem, é controlado pela burguesia. Pelo contrário, a organização internacional da classe trabalhadora é chave para a superação da atual realidade. Nas palavras do próprio Marx, “se a classe trabalhadora deseja continuar a sua luta com alguma chance de sucesso, as organizações nacionais devem se tornar internacionais."
Do blog Pelo Socialismo aqui no sapo

Como se pode constatar (pelo texto acima) o socialismo ortodoxo continua com a sua cassete/ cartilha,ao mesmo tempo que abre a porta às agendas políticas de 'portas abertas' sem controlo (promovidas há vários anos como se pode ver no site abaixo do Mises) dos partidos socialistas não ortodoxos.

https://mises.org.br/Article.aspx?id=2953

"Os socialistas de hoje praticamente abandonaram a velha retórica da "luta de classes", a qual envolvia uma batalha entre as classes capitalistas e proletárias. Há agora uma nova batalha, a qual opõe "opressores" a "oprimidos". As classes oprimidas incluem os grupos LGBT, os negros, as feministas, os imigrantes, os "não-assimilados culturalmente" e várias outras categorias consideradas mascotes. Já a classe opressora é formada maioritariamente por homens e mulheres cristãos, brancos e heterossexuais, de qualquer profissão (empregado ou empregador), que não sejam ideologicamente simpáticos ao socialismo." (do link acima do mises)

04
Mai24

Ele Estava Muito Entusiasmado (repostado)

O apartidário

22614741_KZai4.jpeg

"Considerando a imagem e a reputação de Maquiavel no folclore político da mentalidade moderna, na qual se encontram condensadas certas crenças relativas à política, à perversidade do poder e a uma invencível maldade do homem, a frase deixada cair por Marcelo Rebelo de Sousa contra a Sr.ª PGR sugeriu a existência nela de um certo tipo de carácter, um certo comportamento ou uma certa acção de um modo presumidamente tão certeiro quanto a palavra velhacaria designa um grave defeito moral. Incrustado no inconsciente do linguajar político, pouco importa de onde o termo “maquiavélico” deriva. Ele serviu um determinado propósito político do nosso Presidente e isso bastou para que fosse proferido. Mas, o que é o “maquiavelismo”? O que é uma personagem “maquiavélica”? O que é uma acção “maquiavélica”? Ao partir desta declaração de Marcelo Rebelo de Sousa, o propósito de uma crónica sobre a história da ideia política de “maquiavelismo” é precisamente tentar responder a estas perguntas, enquadrando deste modo o uso populista do termo “maquiavélico” pelo Presidente da República."

António Bento no Observador (artigo de leitura aberta)

https://observador.pt/opiniao/lucilia-a-maquiavelica-ou-os-infortunios-da-virtude/

 

O post original no seguinte link 

https://imagenssem.blogs.sapo.pt/ele-estava-muito-entusiasmado-92969

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub